facebook pixel

População selvagem e reintroduções

Conservação do Lince Ibérico
23/03/2017
Vamos Falar de Veneno | Sensibilizar a População, Educar para a Conservação
23/03/2017
Mostrar tudo

População selvagem e reintroduções

As espécies de lince ibérico diminuíram cerca de 80% nos últimos 20 anos. O número de linces foi estimado em 3.000 em 1960, cerca de 400 em 2000, menos de 200 em 2002 e possivelmente até 100 em março de 2005. O Parque Nacional de Doñana e a Serra de Andújar, Jaén, tiveram as únicas populações de reprodução conhecidas até à descoberta de 2007 de uma população até então desconhecida de cerca de 15 indivíduos em Castilla-La Mancha.

Em 2008, a população de Doñana foi avaliada em 24 a 33 linces adultos, enquanto o grupo de Sierra Morena foi acreditado para o número de 67 a 190 adultos. A população total foi estimada em 99 a 158 adultos, incluindo a população de La Mancha.
Na sequência destas sucessivas perdas de população, o lince ibérico foi listado como espécie criticamente em Perigo na Lista Vermelha da IUCN.

Na sequência de um continuado trabalho de conservação que incidiu sobre a minimização dos fatores de risco para a espécie; a sensibilização e educação dos diferentes atores locais e a reprodução/criação de linces em cativeiro; a partir de 2009, o lince ibérico começou a ser reintroduzido na região de Guadalmellato – Andaluzia, Espanha, resultando numa primeira população de 23 indivíduos em 2013.

A população atual em Espanha é de 326 indivíduos, divididos em quatro populações, Doñana-Alcor (Huelva – Sevilha), Guadalmellato (Córdoba), Guarrizas (Jaén) e Andújar (Jaén-Córdoba) e Toledo com um intercâmbio aceitável de indivíduos.

Em Portugal, a 16 de dezembro de 2014, foi reintroduzido o primeiro par de lince ibérico num cercado de reintrodução do Parque Natural do Vale do Guadiana, perto de Mértola.

Em 2015 foram libertados 10 linces no concelho de Mértola, resultado de longos esforços técnicos e uma importante colaboração com parceiros locais. As libertações dos animais foram feitas em cercado de adaptação e em “solta dura”, diretamente no campo, e constituíram momentos festivos aos quais muitos residentes, técnicos, parceiros e media, assistiram com interesse e grande expectativa.

Em 2016, as libertações continuaram e foram registados os primeiros 5 nascimentos de crias na área de Mértola – Vale do Guadiana.

O programa de reintrodução de linces nascidos em cativeiro continua em 2017, com novas libertações agendadas para Portugal e Espanha.